Papa afirma não concordar com celibato opcional, mas indicou possibilidades de mudança na disciplina.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

“O celibato é um presente a Igreja”, disse o Pontífice

Macapá (AP) | Blog, com Agências | Atualizado a 28.01.2019 – As 16h15

Durante o voo de volta a Roma após a Jornada Mundial da Juventude 2019 no Panamá, o Papa Francisco concedeu a tradicional entrevista aos jornalistas a bordo do avião respondendo as perguntas sobre vários temas. Em uma das perguntas, Francisco foi interrogado sobre a possibilidade da Igreja Católica permitir que em um futuro próximo a homens casados se tornarem padres ou mesmo mudar a disciplina a respeito do celibato.

De acordo com o Papa Francisco, ” no rito oriental da Igreja católica eles podem fazê-lo”, contudo, recordando uma frase do Papa São Paulo VI completou sua resposta com um “prefiro dar a minha vida em vez de mudar a lei do celibato!”

Para Francisco, o celibato é um “presente para a Igreja” e disse não concordar “em permitir o celibato opcional” para toda a Igreja. O Papa afirmou que “haveria apenas uma possibilidade em lugares distantes, como as ilhas do Pacífico”, disse o Papa explicando que a medida daria-se “quando há necessidade pastoral”.

Francisco afirmou aos jornalistas que sua decisão sobre o tema é que o celibato opcional não se daria antes do diaconato. Mas Francisco ressaltou que a decisão não partiria de sua parte. “Eu não quero me colocar diante de Deus com essa decisão”. Desta forma, a possibilidade de mudança da disciplina impõe apenas pela colegialidade dos bispos em sínodo ou concílio, ou ainda, por seu futuro sucessor no Pontificado.

O tema da disciplina do celibato e a ordenação de homens casados por “necessidade pastoral” deve ser discutido no próximo Sínodo dos Bispos em outubro dedicado a discussão da realidade da Igreja na Amazônia. A discussão de que as comunidades desta região poderiam ter homens casados responsáveis de celebrar a Eucarística é um dos principais e polêmicos temas da assembleia que propõe uma perspectiva de “novos caminhos para a Igreja”.

Jefferson Souza

Jefferson Souza